Passar para o Conteúdo Principal Top
Viver Ponta Delgada
Câmara Municipal de Ponta Delgada
Câmara Municipal de Ponta Delgada Porta de Futuro
  • facebook
  • youtube
  • instagram
  • twitter
Hoje
Máx C
Mín C

Requalificação da Praça Gonçalo Velho e Zona Envolvente - Fase 1

Cara(o) Munícipe,

A Câmara Municipal de Ponta Delgada abre à consulta pública a primeira fase do projeto de reabilitação da Praça Gonçalo Velho Cabral e Zona Envolvente.

Este projeto estruturante para Ponta Delgada está enquadrado na estratégia de valorização e de reabilitação urbana do Centro Histórico e vai promover uma nova forma de estar e de viver a cidade para quem cá vive ou nos visita.

Além disso, vai criar condições mais atrativas para o investimento privado e para as atividades económicas, como preconizado no Plano Estratégico de Desenvolvimento de Ponta Delgada e no Plano Estratégico de Desenvolvimento Turístico de Ponta Delgada.

O projeto está dividido em duas fases, com calendários distintos: uma primeira fase, focada na reabilitação da Praça Gonçalo Velho Cabral e com a qual queremos avançar este ano; e uma segunda fase, que está a ser desenvolvida para a zona envolvente mas cuja execução dependerá da experiência e da avaliação dos benefícios alcançados com a primeira fase.

A nova Praça Gonçalo Velho Cabral, reservada a peões, será um espaço de permanência na cidade, de lazer, de confraternização e de serviços.

Queremos conferir a este espaço público, que tanto nos dignifica e enobrece, uma nova relação com o património arquitetónico e promover a mobilidade urbana universal e sustentável, uma preocupação própria de uma cidade moderna como Ponta Delgada que, progressivamente, tem dado prioridade aos peões nas ruas do Centro Histórico.

Face à importância da reabilitação da Praça Gonçalo Velho Cabral para a cidade, que é de todo o concelho, a Câmara Municipal de Ponta Delgada decidiu fixar o período de 45 dias para a consulta pública, para assegurar uma ampla participação dos munícipes.

Estão todos convidados a participar.

As vossas sugestões e informações são muito importantes para nós.


Maria José Lemos Duarte

Presidente da Câmara Municipal de Ponta Delgada

Introdução

O século XX foi invadido por novos ritmos e novos modos de viver, o que fez com que a população se dispersasse. Esta nova dinâmica despertou para a necessidade de se implementar medidas de ação urgentes nas cidades, designadamente espaços públicos atraentes dedicados a quem os habita. Como preparar a cidade para o futuro? Como reconhecer, reforçar e traduzir a história cultural de uma cidade, de acordo com as suas potencialidades, vivências, usos, heranças e consequente relação física entre os intervenientes?
O projeto de requalificação da Praça Gonçalo Velho Cabral propõe uma visão humanizada e atual do coração da cidade, revendo os seus espaços públicos dedicados ao cidadão, com base numa visão contemporânea de uma estrutura urbana planeada com qualidade, com mobilidade transversal, com sustentabilidade ambiental e com eficiência energética.
A conservação do passado e a incorporação do presente exigiram a análise do local, designadamente no que respeita à definição dos principais elementos físicos que estruturam e moldam a zona de intervenção e, paralelamente, o estudo dinâmico das formas urbanas, dos autores e dos processos responsáveis pela sua transformação.
O fio condutor da abordagem à morfologia do centro histórico de Ponta Delgada surge não apenas como uma base teórica mas, sobretudo, na sua tradução, em termos práticos e atuais, enquanto componente definidor do vocabulário urbano proposto.

Descrição da proposta de projecto

A área de intervenção da Fase 1, limitada pelas arcadas dos edifícios da Praça Gonçalo Velho Cabral, caracteriza-se, formalmente, por uma plataforma nivelada na sua totalidade em calçada portuguesa e cuja configuração procurou unir as prexistencias, através da redefinição de zonas de conforto. O tráfego rodoviário é completamente eliminado, pelo que a Praça se dedica exclusivamente à preservação e à valorização das relações sociais, culturais e de lazer entre os seus utilizadores e o espaço envolvente.

Da análise gráfica resultou o levantamento cuidadoso dos padrões existentes na zona de intervenção e selecionados os de maior interesse formal e relevância histórica. Sendo a referência linear predominante no tecido urbano de Ponta Delgada, o resultado final manifesta-se através da decomposição e transformação geométrica da linha, num diálogo de continuidade orgânica, cuja regra impulsionou a reconexão dos elementos bidimensionais e tridimensionais na organização do tecido urbano.
A relação entre os pontos de vista prioritários, o património existente, os elementos de mobiliário urbano, os elementos de paisagismo e a conexão com a complexidade gráfica dos pavimentos é projetada com base numa matriz de relações estéticas e funcionais, que permitiu distribuir os elementos que compõem a proposta num reencontro e aproximação entre as parcelas envolvidas.

Dinâmica

A nova composição da Praça irá permitir uma vivência mais permanente, estreita e acolhedora para os peões, possibilitando que os eventos sejam mais frequentes e com diferentes configurações, uma vez que a zona central da praça (livre) passa a estar apoiada por novas zonas de suporte e descanso.

Mobiliário

Sendo o objectivo prioritário devolver a cidade aos cidadãos e visitantes, dentro da definição de espaço público de conforto de uma cidade para todos, o carácter social da proposta traduz-se na relação entre o espaço contínuo, de comunicação física e visual com a envolvente, com a integração de elementos pontuais de localização do mobiliário urbano e de vegetação que, de acordo com a sobreposição de eixos, reforçam ambientes de diálogo entre os utilizadores. Formalmente, este equipamento surge em continuidade física com o ritmo do padrão e a sua materialidade. Optou-se pela matéria-prima natural – o calcário (e não o basalto, por questões de conforto associado à inércia do material) e a madeira. Prevê-se a integração de três tipologias: os bancos lineares, que se manifestam pela elevação de uma linha de calçada; os bancos circulares, considerados ´anfiteatros´ integrados na topografia da Praça; e os bancos semicirculares, situados junto às floreiras.
Inserido na geometria coincidente com o banco circular, está prevista a instalação de um quiosque para serviços de cafetaria, com esplanada, permitindo reforçar a centralidade económica da Praça, paralelamente à componente de permanência e lazer, contrariando o atual ritmo de circulação no local.

Paisagismo

A inclusão de elementos arbóreos visa não só proporcionar conforto aos utilizadores mas também enquadrar os elementos arquitectónicos e reforçar o conjunto de vistas para as Portas da Cidade e para a Igreja Matriz.
Foi cuidadosamente escolhida uma árvore já com sucesso comprovado na proximidade da área de intervenção - Tilia Cordata. Estas árvores com grande valor ornamental, robustas e resistentes ao vento. Sendo árvores de folha caduca proporcionarão a sombra desejada durante as épocas quentes e a permeabilidade solar necessária durante o inverno.
As árvores atualmente existentes na Praça, a transplantar, - Brachychiton acerifolius - por não serem muito resistentes ao vento, apresentam um desenvolvimento deficiente e estão implantadas muito próximo das fachadas, situação que é corrigida neste projeto.
Ao nível arbustivo e herbáceo foram escolhidas espécies com valor ornamental, de baixa manutenção e muito resistentes às condições mais adversas do local.

Iluminação

Propõe-se uma homogeneização da tonalidade com temperatura de cor prevista a 3000K e tecnologia sustentável e eficiente LED.
Em termos de intensidade, aplicou-se uma estratégia que permite distinguir, de forma hierárquica, o património edificado dos elementos secundários.
Em termos de equipamentos, a solução engloba o mesmo modelo de lanternas integradas no centro histórico, focos de pavimento e linhas LED ocultas.

Especialidades

A drenagem da Praça Gonçalo Velho Cabral será assegurada recorrendo a planos de inclinação, entre 1 a 2%, que encaminharão a água pluvial para grelhas lineares em aço galvanizado do tipo ULMA. Os canais de drenagem, com fundo inclinado, são conectados a caixas de inspeção, também do Tipo ULMA, que por meio de tubagem de PVC de 200mm coletoras conduzem a água pluvial às câmaras pluviais a executar na ligação com a rede existente.
Prevê-se a execução de ramal de abastecimento de água para o Quiosque e bocas de rega.
Em termos de pavimentos foram adotados dois tipos:
- No reperfilamento da rua norte na praça Gonçalo Velho Cabral, a caixa será constituída por uma camada de betão assente sobre camada de tout venant, sendo a calçada grada aplicada com mistura de cimento e areia sobre a camada de betão;
- Na Praça Gonçalo Velho Cabral, a caixa será constituída por uma camada de agregado britado de granulometria extensa estabilizado com cimento (Grave cimento), sendo a joga miúda aplicada com mistura de cimento e areia.
Foram também desenvolvidos o Plano de Segurança e Saúde em fase de projecto, o Plano de Gestão de Resíduos e o Plano de Gestão Ambiental, em conformidade com o Caderno de Encargos e em cumprimento da legislação em vigor.

Circulação

A área de intervenção é dividida em duas estratégias de circulação. Uma zona apenas dedicada ao peão (Fase 1) - Praça Gonçalo Velho Cabral - e uma zona de coexistência (Fase 2), onde o acesso é partilhado entre peões e viaturas.
A Fase 2, cuja execução beneficiará da experiência recolhida na Fase 1, nomeadamente ao nível da adaptação das pessoas à nova dinâmica pedestre e à readequação de hábitos ao nível do circuito automóvel, pressupõe nova auscultação pública, com disponibilização de projeto detalhado, ainda em fase de execução.
O objectivo da estratégia é devolver o centro histórico à comunidade ao sublinhar-se uma relação obrigatória e harmoniosa entre o peão e viaturas, onde o condutor assume maior responsabilidade, enquanto observador. O acesso motorizado previsto destina-se apenas a serviços de entregas, de cargas e descargas, a moradores, a serviços de emergência e a utentes com mobilidade condicionada.

Importa ainda referir que foram considerados os mecanismos necessários para a integração da segurança dos peões com mobilidade reduzida, cegos e amblíopes.

Conclusão

A cidade como lugar de encontro e o seu respectivo vocabulário urbano, são os motores de investimento e reconhecimento das suas relações humanas, da sua cultura e da sua herança patrimonial.
Tal como a Natureza, é um elemento orgânico. O seu sucesso está diretamente dependente da estrutura sólida das suas ´raízes´ e do seu poder de adaptação ao meio ambiente, em constante crescimento e desenvolvimento.

Carolina Augusta Teves de Oliveira Backlar
Jeremy Stewart Backlar

Equipa

Arquitectura: Atelier Backlar : Carolina Augusta Teves de Oliveira Backlar e Jeremy Stewart Backlar
Paisagismo: Diogo Jácome Correia
Especialidades : Tecnicouto e Integral

 


Apresentação do Projeto


Introdução e Análise do Local

clicar para melhor visualização



Processo de Desenvolvimento de Projeto

clicar para melhor visualização



Proposta

clicar para melhor visualização



Circulação

clicar para melhor visualização



Vídeo - Evolução Urbana de Ponta Delgada

Para melhor visualização carregar AQUI.


Documentos relacionados com o projeto


Apresente a sua contribuição.

Aceda ao formulário